EXPLORAÇÃO TURÍSTICA DE ANIMAIS, CHEGA!⋆ Viagem com Beth

Diário

NÃO APOIE A EXPLORAÇÃO TURÍSTICA DE ANIMAIS

10 de fevereiro de 2020

Diga não à exploração animal - Elefante com cela nas costas para carregar turistas
Diga não à exploração animal

Um assunto que me chamou atenção, e sobre o qual eu venho pensando há algum tempo é a exploração turística de animais. Não apenas parece uma realidade distante, como a maioria das pessoas nem sabe quando está presenciando ou colaborando com isso. 

Então, como bom viajante, você deve saber não só o que levar na mochila para a sua viagem; saiba o que levar na bagagem para a vida – não apoie a exploração turística de animais.

A Exploração Turística de Animais é Um Problema

Com certeza você já viu algum filme infantil em que os humanos são próximos dos animais, e os animais até ajudam em algum trabalho, com muita música e muita mágica envolvida. 

Esse cenário reflete a nossa sociedade, e a forma como ter animais saindo das suas rotinas para se adequar a nossa parecer normal. Mas não é. Infelizmente, toda a mágica fica exclusiva para os roteiros de cinema, e a realidade é bem dolorosa.

Alguns exemplos de locais com atrações de animais:

Não é incomum e nem recente encontrar “atrações” com animais para chamar a atenção dos turistas para um local específico. Zoológicos, aquários, shows que envolvem animais, e até o uso de comida para fazer os animais se aproximarem na natureza. Esses são apenas alguns exemplos mais comuns aqui no Brasil.

No entanto, o que poucos turistas sabem é sobre os bastidores de um espetáculo envolvendo animais. Visando apenas o lucro, algumas empresas promovem essas atividades com a promessa de que não há sofrimento para os bichinhos. 

Quando na verdade a é prática muito prejudicial e cruel para eles; uma vez que sua natureza está sendo completamente alterada. Vamos a um exemplo prático, nós mesmos. Nós, seres humanos, temos todo um estilo de vida e necessidades básicas que nos mantém funcionando com saúde. 

Se por acaso uma pessoa for forçada a abandonar a sua alimentação normal e substituir por algo totalmente diferente ou até se privar da alimentação; ou uma criança ser afastada do leite e cuidados maternos; alteração da quantidade mínima habitual de sono, exposição a climas diferentes dos que a “vestimenta” suporta, isso pode acarretar em sérios danos à saúde. 

Não é diferente com os animais, e esses são apenas alguns exemplos do que vários animais silvestre sofrem para se tornar mais receptivos à presença humana.

Existem casos em que animais quadrúpedes são torturados para que fiquem em duas patas, ao som de uma determinada música. Assim, eles aprendem a associar a dor ao som. 

Quando a música é colocada durante as apresentações, o animal reage com o instinto de sobrevivência, se levantando para evitar mais sofrimento, e a plateia se deleita, inconsciente de todo o processo.

COMO PRATICAR TURISMO SUSTENTÁVEL

Conhecimento é Poder

Não colabore para o turismo animal - macaco acorrentado
Não colabore para turismo animal

Sim, na maioria das vezes o turista é inocente. Muitas vezes acredita até estar fazendo o bem em acariciar e alimentar os animais. Mas isso não precisa e nem deve ser assim, você pode fazer a sua parte já! 

A internet está cheia de informações, e, assim como você viu ou leu sobre algum lugar em que se tem turismo com animais, você pode investigar se isso é feito da forma correta.

Há ainda lugares que se intitulam com Santuários Animais, onde as espécies vítimas de abusos seriam recebidas para serem tratadas, e posteriormente realocadas em seu habitat natural. 

No entanto, os falsos “Santuários Animais” se aproveitam dessa fachada para explorar os bichinhos ainda mais. Promovendo atividades em que os turistas podem visitar e até dar banho nos animais, enquanto eles deveriam ser cuidados e reabilitados apenas por pessoas habilitadas.

Não apenas pesquisar, existem algumas práticas que auxiliam no combate a esse tipo de abuso. Segui-las é essencial, uma vez que quanto menor for a demanda por esse tipo de “turismo”, maiores as chances de acabar com isso. 

NÃO FAÇA:

  • frequentar lugares que promovem esse tipo de turismo, você estará colaborando com um crime.
  • tirar fotos com esses animais, você estará fazendo publicidade gratuita para uma atividade cruel.
  • colaborar com o impacto negativo do habitat natural dos animais silvestres.

Talvez você já tenha ido a algum desses lugares onde tenham atrações com animais e não estava ciente do que estava acontecendo. 

Agora que você sabe, o melhor jeito de compensar é deixar esses tempos para trás e não voltar a fazer isso. Além de conscientizar outras pessoas, para que não cometam o mesmo erro. 

Então repasse esse post (e todos os outros que você vê sobre o assunto) para os seus amigos. Compartilhe com quem você conhece para que eles não perpetuem essa exploração.

Casos de Exploração Turística de Animais no Mundo

Um exemplo muito comum são os safáris, em alguns países da África. Muitas vezes são utilizados alimentos para atrair os animais para que os turistas possam tirar fotos com eles, e alguns até interagem com filhotes, dando comida, abraçando e carregando no colo. 

Além disso, a pedido dos próprios viajantes, os guias ultrapassam as áreas demarcadas para conseguir uma vista melhor. Esse é um claro exemplo de que nós, viajantes, temos responsabilidades e não podemos continuar com essa demanda.

Na Amazônia, uma prática comum é a de manter bichos-preguiça em cativeiro para servir de adereço em fotografias. Em cativeiro, esses animais costumam dormir cerca de 15h a 18h por dia, variando de acordo com a espécie. 

Mas esse estudo aqui diz que os animais em cativeiro dormem bem mais em cativeiro do que na natureza, o que já é uma perturbação do seu ciclo natural. 

Além disso, devido aos movimentos lentos desse tipo de animal, o seu maior predador acaba sendo o homem, que os captura para colocar cativeiro e usar de entretenimento.

Em outros países também existem muita exploração animal

Na Tailândia elefantes são acorrentados e tem seus movimentos limitados para que andem apenas sob comando. Esses animais estão acostumados a andar dezenas de quilômetros por dia, e essa privação traz problemas na musculatura, estrutura óssea e circulação. Então eles são obrigados a carregar humanos nas costas, mesmo sofrendo de problemas sérios como artrose.

Esses, infelizmente, são apenas alguns casos dos muitos que acontecem ao redor do mundo. E, enquanto houver lucro em cima do sofrimento animal, haverá esse tipo de turismo. 

Cabe a nós, viajantes, estar ciente do tipo de lugares que visitamos e onde investimos o nosso dinheiro. Podemos estar em contato com a natureza sem destruí-la, se você presenciar maus-tratos, denuncie!

Como Denunciar Maus-Tratos aos Animais

Exploração turística de animais - filhote de elefante sendo espetado e amarrado por pessoas

A denúncia aos maus-tratos é simples e pode ser feita tanto nas delegacias comuns, quanto nas especializadas em meio-ambiente ou animais. Também é possível denunciar diretamente no Ministério Público ou no IBAMA.

Onde ir? O que fazer?

Agora que você já sabe onde ir, saiba o que fazer. Primeiro, uma autoridade policial na delegacia receberá a sua denúncia sobre os maus-tratos e vai registrar um boletim de ocorrência. 

Então um escrivão vai ouvir tudo que você tem a dizer sobre o crime, e ele deve instaurar um inquérito policial ou registrar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

Nesse momento, é importante que você se concentre e descreva exatamente como ocorreram os fatos, com o máximo de detalhes que for possível, como o nome e endereço de quem cometeu o crime. 

Além disso, se houver alguma possibilidade, tente levar alguma evidência, como fotos, vídeos, mapas, nomes e endereço de testemunhas, algo que reafirme o ocorrido. Pois quanto mais detalhes tiver a denúncia, melhor.

Além da delegacia, você poderá fazer a denúncia diretamente no Ministério Público, que agiliza bastante o processo. Isso porque eles têm autoridade para agir contra quem desrespeita a Lei de Crimes Ambientais. 

O próprio ministério público tem uma cartilha, como essa do estado de São Paulo, onde você pode verificar como fazer a denúncia propriamente ao órgão.

Entre em contato com IBAMA e denuncie a exploração turística de animais

Outra opção é o IBAMA, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Você pode ligar gratuitamente para 0800 61 8080 ou enviar um e-mail para [email protected]. Então o IBAMA vai encaminhar a sua denúncia para a delegacia mais próxima de onde ocorreu o crime.

Se você está em dúvida sobre prestar ou não uma queixa contra a exploração turística de animais, não precisa se preocupar. O estado será o autor do processo judicial, não você. Você tem o direito e o dever de exercer o seu papel enquanto cidadão. 

Assim como o governo e as ONG’s, mas eles farão o trabalho deles melhor se nós, cidadãos, fizermos a nossa parte.

NÃO COLABORE COM A EXPLORAÇÃO TURÍSTICA DE ANIMAIS

Por: Beth Crisko

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *